Aumenta fluxo turístico na Reserva de Maputo

Categoria : Turismo
Sub-Categoria : Moçambique
Publicado no dia 2019-05-23 11:51:49


Aumenta fluxo turístico na Reserva de Maputo

A Reserva  Especial  de Maputo está localizada no extremo sul da província de Maputo e é uma das referências  na  zonal  sul  do  país  que,  para  além  de ser porta de entrada, através da fronteira da Ponta D’ouro tem resposta  para  o  que  mais  é  procurado  pelos  turistas  na  transição  do  ano,  com  destaque  para  diversidade  faunística  para  à prática do turismo de safari, sem esquecer a praia da ponta d’ouro  cuja  natureza  fez  questão  de  esculpir  junto  a  uma  paisagem  montanhosa.

Estes encantos serviram para aumentar  a  cada  ano  o  número  de turistas que visitam o local, sobretudo  os  provenientes  da vizinha África do Sul e da cidade de  Maputo.  Aliás,  o  administrador da Reserva, Miguel Gonçalves,  avançou  que este  ano  os números  são  a  dobrar,  graças  a  abertura da estrada que tornou a reserva e a praia mais acessíveis.

O  repovoamento  da  reserva é, sem dúvidas, outro factor a considerar na matriz do turismo, porque  bem  se  sabe  que  parte  dos   turistas   são   atraídos   pelo   apetite de ver animais selvagens, num contexto em que a área tem como  animais  de  bandeira,  os  elefantes,  girafas,  bois  cavalos, falcoeiros,  zebras,  hipopótamos,  curdos.

Segundo Gonçalves, à luz do programa de repovoamento, este  ano  foram  introduzidos  40  búfalos, impalas  e  inhalas,  totalizando cerca de 4200 animais de espécies diferentes desde 2010.

 

Condutores ameaçam vida selvagem

O  administrador  da  Reserva esclareceu que na falta de estrada, a reserva era, essencialmente, visitada por turistas estrangeiros vindos da África do Sul, mas, com  entrada  em  funcionamento  da  ponte  Maputo-KaTembe  e  a  respectiva estrada Katembe-Ponta D’ouro, tem se observado um aumento de turistas nacionais.

O desafio eclode pelo facto de parte da estrada, atravessar a reserva, o que impõe a tomada de  medidas  de  segurança  para  não ameaçar a vida da fauna bravia.  Nesta  senda,  no  troço que atravessa a reserva, foi estabelecido um limite de velocidade de 50 km/h, mas há, segundo o responsável, condutores que não  respeitam  este  limite,  em  resultado  muitos  atropelamentos  a  animais  foram  registados  nos últimos dias.

“Inicialmente  sofreu  uma  gi-rafa que, felizmente, sobreviveu com  a  pronta  intervenção  do nosso veterinário, depois morreu  uma  zebra,  duas  impalas,  uma jiboia, cágados e vários ou-tros  animais  por  atropelamento”, explicou.

Por seu turno, a reserva marinha de Ponta D’ouro está fora dessas  ameaças,  considerando  que  a  fauna  marinha  está  concentrada  em  zonas  pouco  acessíveis, expcetuando as tartarugas  que  nesta  época  desaguam  na   costa.   Entretanto,   Miguel   Gonçalves alerta sobre um dos perigos que ameaça a fauna marinha, a poluição.

Segundo     o     administrador,     este desafio “emana do aumento do número de visitantes, uma vez que continuamos a obser-var que as pessoas vão à praia e  deixam  latas,  garrafas  e  plásticos, o que constitui um risco muito  grande,  porque  quando  vem a maré, este mesmo lixo é transportado  para  o  alto  mar  e  provoca danos”, explicou a finalizar

Leave a Comment: